quinta-feira, 22 de novembro de 2007

ENQUANTO UM CHORAR...

"...a morte de qualquer homem diminui a mim, porque na humanidade me encontro envolvido..."
in Meditação 17, John Donne

Enquanto um chorar, toda consciência é pesada, todo mar é agitado e não há abrigo nos corações. Enquanto um chorar, meus sonhos não passam de silhuetas de um paradoxo e meus sentimentos se transfiguram em simulacros de idéias vazias.
Não há meios de banir a tristeza, não há formas de evitar o derradeiro encontro consigo mesmo, onde no íntimo imago a imagem do irmão brota triste. Somos irmãos e, enquanto um chorar, não desejo o calor dos sorrisos. Somos irmãos e cada pessoa é parte de mim. Cada universo, cada consciência discreta, frágil, deseja a felicidade dos sorrisos simples e dos apertos de mão. Enquanto um chorar, um vento fúnebre deixa um ranço de morte.
Dobram-se os sinos, afirmou John Donne. E é por nós que eles dobram, por cada perda, por cada instante em que nos diminuímos.
Em cada sofrimento que desprezamos, em cada irmão que ignoramos, entre os sinos dobrados, um réquiem é composto.
Ouve-se o réquiem a cada instante, composto de notas amargas de orgulho e soberba. Na imagem do mendigo ele é encontrado. Pelos hospitais e seus doentes terminais pode-se ouvi-lo. No centro e na periferia já o deram como certo. Nas igrejas também o perscrutam, entre um e outro cântico de louvor.
Dia a dia ele nos acompanha, sempre que negamos uns aos outros. Caminha conosco desde os tempos imemoriais, em cada guerra, em cada morte. Não o rejeitamos, somos seus filhos adotivos, do réquiem e dos sinos, pois não há paz, quebram até as flores*.


Rafael Guerreiro

*Filha de Henrique Dussel, com 7 anos de idade.

2 comentários:

Luis Gustavo Cardoso disse...

Dos teus textos que li, o melhor, sem dúvida.
Além dos sinos que dobram, o estilo lembra um bocado Hemingway.
Você deu tons coerentes e unidade a escrita.
Parabéns, velho

um abração
gustavo

Teresa Cristina disse...

"SOMOS IRMÃOS E CADA PESSOA FAZ PARTE DE MIM." É forte, inquietante e totalmente reflexivo. Gostei muito,viu?